quinta-feira, 13 de julho de 2017

Febre no Nordeste, bancas de aposta esportiva ilegal "quebram" após prêmios milionários no Brasileirão



A 13ª rodada do Campeonato Brasileiro sequer acabou, e milhares de torcedores Nordeste afora já viveram momentos de intensa euforia e profunda tristeza. Isso porque uma série de sites e bancas ilegais de apostas esportivas — que viraram febre em vários estados da região desde o ano passado — simplesmente "quebraram" após os resultados da Série A de quarta-feira (12).

Logo que os jogos acabaram, começaram a circular nas redes sociais fotos de cartões vitoriosos de apostas acumuladas — aquelas em que o apostador marca vários possíveis resultados e só ganha o dinheiro se todos eles acontecerem como previsto — nos jogos Ponte Preta x Bahia, Atlético-MG x Santos, Fluminense x Botafogo, Palmeiras x Corinthians, Atlético-PR x Cruzeiro e Vitória x Vasco da Gama. A improvável combinação das cotações de todos os visitantes pagava entre mil e 2.200 vezes o valor apostado, mas foi o que aconteceu: Bahia, Santos, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro e Vasco venceram. Tão rapidamente quanto as manifestações de alegria dos apostadores, porém, áudios de supostos cambistas e operadores das bancas se disseminaram pelo WhatsApp. O tom era quase fúnebre. "Pessoal, não adianta me ligar, me pressionar, mandar mensagem. Já entrei em contato com o dono da banca e ele falou que é impossível pagar. O prejuízo é milionário. Não vai ter condição de pagar. E vocês sabem que é jogo ilegal. Não adianta ir para a Justiça, não adianta fazer nada. Fechou a tampa do caixão", diz um dos operadores.



"Vocês podem ter certeza: nenhuma banca vai pagar isso. A gente vai ver se faz um acordo para não deixar todo mundo desamparado. Esse jogo acabou hoje. É falência pra todo mundo", afirma outro funcionário das bancas ilegais.

Apostas esportivas são consideradas jogo de azar no Brasil, o que impede que os sites sejam cadastrados no país. Muitas páginas, entretanto, são registradas aqui, mas em nome de laranjas. Outros empresários do setor optam por driblar a legislação por meio de cambistas que usam tablets e maquininhas de impressão em pontos físicos e de maneira ambulante, oferecendo as apostas em bares e de porta em porta.

Os envolvidos em apostas ilegais podem ser indiciados por crimes como lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, sonegação fiscal, evasão de divisas e funcionamento de instituição financeira sem autorização do Banco Central, em crimes contra a ordem econômica, tributária e contra as relações de consumo.


SITES ADMITEM PREJUÍZO

Menos de 24 horas após o início da confusão, parte dos sites de aposta "underground" começaram a admitir seus prejuízos e pedir paciência aos jogadores. O site Marjosports, sediado no Brasil e registrado em nome de "Jurema Vinte e Nove da Silva", publicou em sua página inicial um pedido de desculpas. "Prezados, neste dia 12/07 tivemos a maior premiação de nossa história. Algo tão grande que não pudemos prever e, por consequente (sic), não pudemos nos preparar antecipadamente. Mas queremos deixar claro nosso compromisso com você que sabe da nossa credibilidade, e que honraremos todos os nossos compromissos, como sempre fizemos nestes anos que estamos juntos", diz o texto. Em texto semelhante, a banca Chuto Forte, cadastrado no sistema nacional em nome de "Thiago de Luna Campos", afirma que entrará em contato com os ganhadores "para o posterior agendamento das datas". Outro site, intitulado BetGol777 e registrado fora do Brasil, afirma que vai parcelar o pagamento dos créditos dos apostadores. "A Bet Gol 777 assume desde já o compromisso de honrar todos os débitos na condição de parcelamento, iniciando com 10% (dez por cento) do valor do prêmio, com programação de quitar todos os valores em dez vezes", afirma o comunicado.




A febre de apostas esportivas gerou todo um mercado clandestino. No YouTube, por exemplo, programadores de tecnologia da informação que vendem seus serviços para eventuais investidores no ramo ilegal. Em anúncios às claras, os profissionais oferecem o sistema pronto de impressão dos "pules", com códigos exclusivos de cada bilhete e sistema de segurança para evitar falsificações.


POLÍCIA JÁ FECHOU SITES

Em abril deste ano, a Polícia Civil do Ceará (PC-CE) deflagrou a Operação O Jogo Não Acabou, que fechou uma casa de apostas na cidade do Crato. Na ocasião, os policiais prenderam um homem em flagrante por contravenção penal e apreenderam materiais de apostas ligadas aos sites "Bets 69", "Bets 99", "Bets Cariri" e "Bets Nordeste". Estes dois últimos já não operam mais, mas as duas primeiras bancas, sediadas fora do Brasil, continuam funcionando. (Metro1)




Compartilhar: Whatsapp Facebook Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

DESTAQUE

Morre, aos 65 anos, o jornalista Marcelo Rezende

OTICA

OTICA

PUBLICIDADE

PEPAC

DENILTON - ANTENAS

NAMASTÊ

PUBLICIDADE

NUTRIFORCE

MASTER ELETRÔNICA

BARMIL

TOP 5 - VOZ DO LOBO

PUBLICIDADE

CURTA NOSSA PÁGINA